segunda-feira, 8 de janeiro de 2018

Ponte de Lima: a tradição que mora aqui ao lado


Era Setembro, o dia pedia passeio. Fomos até Ponte de Lima. Um miminho à beira rio plantado, cheia de lendas, tradições, festividades e curiosidades históricas. Por vezes é bom demorarmo-nos nos sítios que pensamos conhecer.
Respeite o horário... "também temos vida"... lia-se no letreiro à entrada de um restaurante, bem na rua principal, virada para o rio. Dei uma gargalhada, afinal Ponte de Lima é assim, uma vila cheia de "temperamento". Não sou da terra, por isso não me atrevo a dizer: "o que visitar". Conto o que me fascinou.
Marque encontro no centro da vila. 
Passear pelas ruas do centro histórico é obrigatório. É pequeno, mas cheio de (re)cantos... a capela, a mercearia de bairro, a farmácia pintada de 'antigamente', o tasco bem 'coradinho', ou a fonte que parece um bolo de noivos. Como diz Teófilo Braga: "A terra onde eu nasci, terra de encanto; Cheia de graça, ó cheia de beleza; Deixa afirmar nas vozes do meu canto; Que és a mais linda terra portuguesa". A esta beleza, "que não se pinta", junta-se a Torre da Cadeia Velha, adaptada a prisão no século XVI, na altura de D. Manuel I. Na sua janela de grades, as pombas dão asas de liberdade. As ruas estreitas e empedradas pedem descanso nos bancos vermelhos no Largo de Camões, mesmo junto à Igreja Matriz. Aqui, ninguém fica indiferente ao touro de bronze, em tamanho real. Um tanto polémico, para alguns, mas representando uma das grandes festividades da terra, a "Vaca das Cordas". Uma tradição que data de 1646, e que tem lugar na véspera da festa do Corpo de Deus. 



Ponte de Lima tem força de lenda. 
E por isso a caminhada deve estender-se até à ponte que une as duas margens do rio Lima. Chamada de “Ponte Velha” marca a paisagem da vila, como elemento arquitetónico por excelência. Quando a passas, hesitas! Lembras-te da lenda do rio Lethes. Será mesmo o Rio do Esquecimento? Nessa hesitação exploras esta margem do rio. Não ficas indiferente à Igreja de Santo António da Torre Velha e à curiosa Capela do Anjo da Guarda, que protege a vila e os peregrinos que lá passam a caminho de Santiago de Compostela. Não fosse Ponte de Lima parte da Rota do Caminho Português para Santiago.
Passamos a ponte. Ao longe, a estátua do General em cima do cavalo. Nome por nome, parece que o ouvimos a chamar pelos seus soldados, ainda hesitantes na outra margem. Rio do Esquecimento? Não, só se for Rio da Lembrança. Uma "lembrança viva desta terra amorável".
Do outro lado, percorre-se parte da Ecovia do Rio Lima que nos levou ao "Jardim das Descobertas" (http://www.festivaldejardins.cm-pontedelima.pt/)Doze pequenos jardins, provenientes de diversos países, promovem os sentidos e a imaginação. Visite, passeie-se por lá, bem devagar, que não irá arrepender-se!






O regresso fez-se "pela boca" e saboreamos o arroz de sarrabulho, acompanhado de um vinho verde loureiro, adega de Ponte de Lima. Não há como perguntar aos da terra onde se come melhor! Pelos vistos o Restaurante Manuel Padeiro é um deles. Mas é também nas descobertas que somos surpreendidos/as. Foi o que aconteceu na Casa da Terra (http://www.casadaterra.pt/). Bebemos uma cerveja artesanal, enquanto nos perdíamos pelo espaço. Pequeno, mas acolhedor. Cheio de surpresas... do conceito, ao artesanato, passando pela decoração do espaço, cheia de curiosidades e histórias passadas com cheiro a modernidade. A divulgação e promoção dos produtos do Concelho de Ponte de Lima é levado a sério... até na casa-de-banho :-) não conto mais nada, têm de ir lá para ver!!
A tarde passou em passo de corrida, mas foi com um pezinho de dança que deixamos a vila, entre olhares esquinados e risos de consentimento. Afinal, o espírito festivo das Feiras Novas* ainda estava lá, nas animações sobrantes que decoravam as ruas e nas músicas populares que recordavam os transeuntes que o tempo era de alegria e festa.




*Celebradas desde 1826, é considerada o "maior congresso ao vivo da cultura popular em Portugal". 

Fotos: Vera Duarte e Marcelo Andrade

segunda-feira, 18 de dezembro de 2017

Uma história de Natal

É apenas mais uma história de Natal...
para mim, a melhor de todas,
a da minha família.
Hoje avós e netos, ontem pais e filhos/as.
Hoje adultos, ontem crianças. Para sempre Família.

“Como sempre subiu as escadas apressado… de repente parou e os seus olhitos cresceram como se tivesse visto ouro. E não estaria enganado. Havia um presente na escada! Olhou para trás e exclamou: 
_ Avó, uma prenda!
Mostrei-me surpreendida e pedi-lhe que lesse a mensagem que estava escrita. Letra a letra a frase ganhava forma: “Eu sou o Anjo do Menino Jesus. Ele disse que quer nascer na tua casa. Queres arranjar um lugar para Ele?”. Sem responder, mas com os olhos ainda mais brilhantes, começou a rasgar o papel de embrulho...
_ É um anjinho avó!  E foi pô-lo no presépio, ainda um estábulo vazio e frio, mas à espera... à espera que se faça a Magia do Amor.
Durante toda a semana corria escada acima à procura de mais um embrulho. Estavam sempre em lugares diferentes. Qual seria a próxima figura? E foi encontrando a vaquinha, o pastor com as ovelhas, o burrito, de seguida S. José e, por fim, a “mamã e o bebé”, como ele dizia. O estábulo deixara de ser aquele lugar vazio e o presépio ia ganhando forma, embelezado pelo musgo, pelas pedrinhas brancas que brilhavam e pela neve que, cuidadosamente, ele ia colocando. A cada figura uma história, a cada história os porquês que só uma criança consegue imaginar, e nesses porquês o Presépio ganhou vida e tornou-se móvel... todos os dias os animais eram deslocados para pontos diferentes, afinal “o Menino Jesus precisa de estar quentinho”.  E a história se recria pelas mãos de uma criança.
No fim de cada dia, sentava-se com o olhar perdido nas figurinhas, aguardando que chegue a noite mágica. O que ele não sabe é que a Magia do Natal já tinha começado... naquele dia em que subiu as escadas apressado e, sem saber, iniciou uma viagem pelos significados do Natal. Durante a semana não falou em prendas para ele, afinal o Natal é Dádiva, é Amor, é Bênção. E ele sabe... não com a razão, mas com o coração, e assim a Magia do Natal acontece!"







sábado, 11 de novembro de 2017

The World of Steve McCurry: como se fotografa a vida?


Será possível viajar através da fotografia? 
Não tenho dúvidas que sim e, por isso, os trabalhos de Steve McCurry sempre me fascinaram. Se o retrato de Sharbat Gula, a rapariga afegã de olhos verdes que foi capa da National Geographic em 1984, foi o início desse deslumbre, hoje é apenas uma das fotografias icónicas de McCurry. Impactante, é verdade, mas uma de entre tantas que nos deixam sem fôlego. Não apenas pela sua beleza estética, mas pela profundidade do pormenor. Pela intimidade que nos permite com aquelas pessoas, ali, a olhar para nós, uma e outra vez, com rostos e olhares de uma dureza poética. Pelo silêncio barulhento daqueles lugares - da Índia ao Afeganistão, passando pelo sudoeste asiático, África, América do norte e do sul - que nos contam a história do mundo. O caos, o terror, o desastre, mas também a beleza e uma humanidade comum. Não há exotismo nas suas fotografias, há vidas vividas e vivenciadas, há histórias que o mundo precisa de saber.
A exposição “The World of Steve McCurry”, na Alfândega do Porto até ao final do ano, tem tudo isto... um adentramento na (sua) vida, que começa em 1979/89, no Afeganistão, onde faz a sua primeira reportagem e onde a visita começa. Daqui, entramos num labirinto de imagens e cor, sem sequência cronológica ou ordem estabelecida. És tu que traças o percurso e que escolhes as imagens onde queres permanecer mais tempo, como se fosses o próprio McCurry a "calcorrear as ruas e a confiar no que o olho capta". Algumas fotos são narradas pelos próprio autor, que as descreve, fala das sensações que teve e do contexto da sua produção. De repente, a foto ganha vida e começa a falar contigo. Incrédulo/a encetas o diálogo. Umas vezes comoves-te, outras sorris,  mas nunca lhe ficas indiferente. “Uma boa fotografia é aquela que entra na memória, uma imagem que fica contigo”, diz Steve McCurry. E pela sua lente viajas pelo mundo, cru como ele só, mas cheio de esperança.




Mais informações sobre a exposição:  http://stevemccurryworld.com/

sábado, 7 de outubro de 2017

Trilhos de natureza e pequenas aventuras (5): Ecovia do Vez

                                                       
A Ecovia do Vez, que fica no concelho de Arcos de Valdevez, é constituída por três etapas, num total de 33 km. A primeira etapa da Jolda S. Paio até aos Arcos de Valdedez, com cerca de 12,5 km. A segunda etapa, dos Arcos até Vilela, numa distância de quase 10 km. E a terceira e última etapa, de Vilela a Sistelo, que distam entre si um pouco mais de 10 km.
Andava a namorar este percurso, há algum tempo. Comecei por ler um pouco sobre a região e o percurso, as suas dificuldades e surpresas, mas também contactar com a experiência de quem já percorreu esta ecovia. Perceber o grau de dificuldade dos trilhos ou se há transporte possível no final de cada etapa é importante para decidires se fazes a ecovia toda ou por etapas. Se fazes num dia ou em dois. Apesar desta preocupação, admito que não há nada como ir ao local, conhecê-lo na primeira pessoa, e dar-lhe uma palavrinha e um aperto de mão. 
Fomos sem grande planos, sabendo apenas que tinhamos meio dia para lhe dedicar. O dia estava ensolarado. Optamos por iniciar nos Arcos de Valdevez, na Praia Fluvial da Valeta, e fazer a Etapa 2 da ecovia. 10 km pareciam exequíveis (mesmo que eles duplicassem, caso precisássemos de regressar a pé). Esta Etapa faz-se quase sempre junto ao rio, num percurso que varia entre piso de terra, pedra ou alguns segmentos em que andamos sobre passadiços de madeira. A natureza acompanha-nos sempre, mas também as estradas regionais e nacionais que acinzentam a paisagem. O percurso é bonito, mas não deslumbrante. Em quase dez km de trilho, confesso que foram os últimos três km que prenderam mais a minha atenção. Muita mais beleza, muito mais verde, muita mais natureza... uma espécie de prelúdio da Etapa 3 que todos/as dizem ser a mais bela e exigente. 
Na ponte medieval de Vilela, o tempo era de descanso. Na fresca das margens, a cheirar a hortelã, o rio espelha a ponte. Nela confluem vontades, de quem está a chegar ou a iniciar nova Etapa, protegidos pela "alminha" com a imagem de Santa Luzia. Nela ouvem-se histórias. Nela parece que todos se conhecem. Afinal não é apenas a ponte que une margens!!
O regresso aos Arcos de Valdevez foi feito também de aventura e diversão... e regressar à boleia foi uma solução. De dedo em riste não precisamos de andar muitos metros. Apanhamos a melhor das boleias, de um autocarro de excursão, que na mesma sintonia vinha cheio de alegria e boa disposição.
-->
Uma Etapa está feita... a outra decidida. Começaremos onde acabamos. Vilela - Sistelo será a próxima paragem.












Photo by Marcelo Andrade e Vera Duarte

domingo, 3 de setembro de 2017

Trilhos de natureza e pequenas aventuras (4): 'Sistelo ao luar'





Uma experiência diferente. Foi assim que vivenciei "Sistelo ao Luar: trekking com as estrelas", organizado pela Borealis, ontem, dia 2 de setembro.
Há muito que oiço falar na aldeia de Sistelo, no concelho dos Arcos de Valdevez, às portas do Parque Nacional da Peneda-Gerês, junto à nascente do rio Vez. Para alguns, o “pequeno Tibete português”, por causa da configuração dos seus terrenos, em socalcos.  Uma marca identitária única, que tem sido moldada há centenas de anos. Hoje, mote para o desenvolvimento turístico da região.
Vi os socalcos? Não. Isso terá de ficar para uma próxima vez. Mas descobri que o céu de Sistelo também é feito de "socalcos" e que o Miradouro da Estrica (que também é um trilho) é um lugar privilegiado para conhecer os mistérios das noites estreladas e os nomes e os desenhos das constelações estelares. Para onde fica o norte? Procurem a Estrela Polar... e, quase como que por magia, desenha-se uma rosa dos ventos no céu. Sabiam que a Estrela Polar não é a que mais brilha? Mas é a única que permanece sempre fixa no firmamento. Aqui entre nós, acho que até a Lua lhe presta reverência. 
Ao longo do trilho, fomos ouvindo histórias de cordel sobre os nossos antepassados, e recriando, nas nossas cabeças, cenários míticos. Não fosse a noite a melhor amiga da fantasia e da criatividade. O barulho das botas a pisar as folhas, a luz das lanternas a espreitar por entre a escuridão, o ramo que se parte, o caminho que não se vê. O que perdemos em visão de detalhe, ganhamos nos outros sentidos. Apuramos a visão periférica para que a noite ganhe forma(s). Ouvimos mais e melhor. Identificamos, pelo cheiro, as árvores, as flores ou as ervas que se passeiam entre nós.  E, pelo tacto, fazemos parte do caminho. 
O trilho em si não é difícil, mas trilhos noturnos são sempre mais exigentes, como o são os sons da noite. De regresso à aldeia,  já perto da meia noite, um chá quente e um bolo animaram uma visitinha à lua (pelo telescópio). 
Vi os socalcos? Não. Ontem, para mim, Sistelo foi luz e lua.
Uma experiência diferente, onde o tempo se demora.

Aviso à navegação
J 
Quando a reportagem fotográfica do evento estiver disponível, atualizarei este post para poderem ver aquilo que eu senti.




domingo, 13 de agosto de 2017

“Terra à vista”: a Pedra da Gávea no Rio de Janeiro

Pedra da Gávea, Rio de Janeiro
Foto retirada da internet
A Pedra da Gávea é um dos morros que marca a paisagem do Rio de Janeiro. Beija o céu pela sua altura, 844 metros, o que a torna uma das montanhas mais altas do mundo às margens do oceano. E ergue-se firme de entre a Floresta da Tijuca, com a sua vegetação nativa exuberante. Reza a história que o nome da montanha foi dado pelos marinheiros de uma expedição portuguesa, em 1502, que reconheceram, na silhueta da pedra, a forma do cesto da gávea. A gávea era o ponto mais elevado das antigas embarcação à vela onde se construía um cesto de observação – cesto da gávea - onde permanecia o marinheiro vigilante esperando por avistar terra. Na gíria dos barcos quinhentistas (portugueses e castelhanos) o cesto da gávea era também chamada de ‘caralho’. Parece que gritar "Terra à vista" se tornou o grito do ‘caralho’. E quando alguém se portava mal, era mandado para o ‘caralho’. Ainda bem que os marinheiros, na hora de dar o nome à montanha, tiveram o bom senso de não usar a gíria J
Devem estar a pensar... mas não seria mais interessante falar no Corcovado, com o seu Cristo Redentor, que recorta os céus com a sua imagem imponente e memorável, sempre de braços abertos olhando por todos/as! Ou falar no Pão-de-Açucar e do seu ‘bondinho’ que, desde 1912, dá asas a quem o quer visitar, permitindo observar uma das paisagens mais belas do mundo! Ou até falar no Morro Dois Irmãos, que se avista da praia de Ipanema, e que enquadra pores-do-sol inesquecíveis. Sim, talvez fosse mais interessante... mas a verdade é que nem sempre nos apaixonamos pelo mais belo, mas pelo que instiga a nossa curiosidade. Foi o caso. E é sobre sentires que eu escrevo.
Suponho que a Pedra da Gávea tenha tido maior impacto em mim por me ter sido “apresentada” durante a visita que fiz à favela da Rocinha. Naquele momento os sentimentos eram antinómicos. Ao mesmo tempo que a Rocinha era uma janela aberta, com vista privilegiada, sob a Pedra da Gávea, estimulando deslumbramentos, ela obrigava ao confronto com as disparidades e as desigualdades sociais que compõem a favela, a maior favela da América Latina. Os sentimentos continuavam contraditórios, pois foi deste local, aparentemente feito de feiuras, que vi, ouvi e me fascinei pelas histórias, pelos mitos e pelas lendas da Pedra da Gávea.
O entusiasmo das narrativas de César, um morador da Rocinha que nos acolheu em sua casa, transformou o Morro da Gávea num palco repleto de arrebatamentos e confabulações. A Pedra da Gávea olha-nos nos olhos, e fá-lo através da imagem de uma cara esculpida na rocha, cuja origem é muito controversa e debatida. A esta imagem, marcante, juntam-se lendas e contos. Umas sobre as inscrições na rocha, numa linguagem muito antiga, que muito acreditam ter origens sobrenaturais. Outras falam sobre grutas com cavernas longas que atravessam a Pedra da Gávea de “orelha a orelha”, ou até sobre a existência de um “portal”, que dizem ser a entrada para um mundo subterrâneo. Outras estórias, ainda, falam das trilhas, dificílimas, que mais parecem saídas do filme Salteadores da Arca Perdida, e que têm instigado lendas de maldição que são colocada sobre aqueles/as que ousam violar a tumba de um Rei Fenício, que terá passado por terras brasileiras em 856 a.c.

Histórias e mais estórias se constroem sobre a Pedra da Gávea. Não sei se são verdadeiras ou não, talvez isso nem seja o mais importante. O que sei é que a fixei, e senti o pulsar das suas entranhas. E daquela varanda, na favela de Rocinha, como marinheiro na Gávea, tive vontade de gritar “Terra à Vista”.